Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


08
Mai13

Notei que ao escrever aqui algumas vezes sobre como é ter um filho, algumas pessoas enviaram comentários bastante diversos. A algumas parece que incentivei a tê-los, a outras nem por isso.

Apetece-me voltar a este assunto, mesmo desde o início, na gravidez, onde todo o processo começa.

Existem opiniões divergentes: onde fazer as consultas de acompanhamento? No particular ou no público? Fazer cursos de preparação para o parto? Sim ou não?
Começa logo aqui. É incrível a capacidade de todas as pessoas que estão à volta de uma grávida, de começar desde cedo a baralhá-la. "Ai e tal eu cá fui acompanhada no público e fui muito bem atendida, para quê essa cagança de ir ao privado?"
No meu caso, fui acompanhada no privado. Tinha dinheiro para isso, fui. Se não tivesse, tinha mais era de ir ao público (e acredito que seria bem acompanhada na mesma, assim como o fui na hora do parto). Mas apeteceu-me. Podia. Queria. Sentia-me mais segura.
Nas ecografias a mesma coisa. Privado. Certa vez, na sala de espera, ouvi uma senhora com uns 80 anos a dizer qualquer coisa como "ai....no meu tempo não havia nada disto, só sabiamos como eles eram quando nasciam". Pois querida senhora, mas a mim apetecia-me vê-lo um bocadinho mais cedo. Ser atendida por uma especialista super querida que me tirou um peso dos ombros a dada altura (por causa de um erro de outra "especialista"). Em consultas que custavam os olhos e o cu, sim. Mas podia.

Depois seguem-se os cursos. Fazê-los ou não? Eu não fiz. Não me apeteceu. Em certas coisas gosto de utilizar uma das minhas frases favoritas "depois logo se vê". Acreditei que não me iria servir de muito. Que na hora do parto iria esquecer-me de tudo porque me conheço demasiado bem. Porque acho que cada parto é único, assim como cada pessoa e que na hora, as reacções podem ser muito diversas.
Mas há quem ache que os deva fazer, porque se sentem melhor. Porque a mãe e o pai se sentem mais seguros e quanto a isso não pode haver argumentos. Ponto.

O bebé nasce. A alegria. O pânico.
Começa uma nova etapa. A dos bitaites. Bitaites para aqui, bitaites para acolá.
Quando ainda estava grávida alguém me disse o seguinte (sim, Isa, foste tu): "Por muito que te digam que o teu filho tem isto ou aquilo, ou que precisa disto ou daquilo, só TU irás saber o que é. Só TU como mãe e mais ninguém"
Foi frase que me esqueci nos primeiros tempos e que voltou à minha memória certo dia como uma martelada em força na minha cabeça.
Como já aqui escrevi uma vez, sentia que o meu filho tinha fome, que não estava bem, sossegado e tranquilo. E toda a gente a insistir com o peito, que o peito é que é bom e insiste insiste. Mama, mama, mama, já não podia ouvir falar em mamas! E peito. E leite materno.
E a dada altura, idem todos cagar à mata que o meu filho tem é fome e vai de dar suplemento. E vai de engordar e dormir tranquilo. E eu também. Finalmente.

 

Leite materno. Terei fracassado nesta parte? Terei falhado como mãe? Não.
Nos últimos anos bombardeiam as mães com a questão da amamentação. Com um fundamentalismo que não me agrada de todo. Ouço, leio, mães que amamentam os filhos com um tom de superioridade, como se isso as colocasse num patamar acima das outras. E isso, que me perdoem, mas não entendo.
Compreendo perfeitamente uma mãe, que depois de dar à luz, se recuse a amamentar o filho. Porque não está para isso, por uma série de razões que são lá dela. Dela e ninguém tem nada a ver com isso.
Assim como compreendo igualmente uma mãe que ainda ande com o peito pendurado para dar de mamar ao filho de 4 anos. Agora, isto faz dela melhor mãe que as outras? Faz concerteza, mas para o seu próprio filho.

 

Não podemos definitivamente esquecer-nos de que cada caso é único. E parar de uma vez por todas de criticar e julgar escolhas que a dada altura foram diferentes das nossas.
Será esse o caminho.

 



Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Sem imagem de perfil

De helena a 08.05.2013 às 15:16

O meu ginecologista e obstetra conhece-me há 30 anos, seguiu-me durante a gravidez no seu consultório particular, foi com ele que fiz as ecografias e foi também ele que me fez o parto, na altura ainda trabalhava na M.A.C. Hoje não sei se é assim, mas em 1992 a Alfredo da Costa não recebia parturientes que não fossem residentes naquela zona, dei-me ao trabalho de mudar a morada e em consequência de B.I. para que o meu filho nascesse às mãos do meu médico.

Não fiz nenhum curso de preparação para o parto, não achei que precisasse e de facto não senti falta.

Tinha como propósito dar de mamar até ter leite, por circunstâncias que não sei precisar o leite secou um pouco antes do puto ter três meses. Não me afligi, nem desesperei. Hoje, passados que estão 21 anos, posso afirmar que o meu filho é saudável, nunca teve nada de mais, nem mesmo os dentes de leite deram chatices, um ranho no nariz e só, é um desportista nato, tem mais de 1,80m, é bem constituido e nunca teve problemas por não ter sido alimentado com o leite materno.

Sim, o facto de fazermos ou termos feito escolhas e tomado opções, voluntárias ou não, diferentes de outras mulheres não nos dá o direito de achar que nós estamos certas e as outras erradas. Cada mulher, cada casal e seu bebé sabem de si.

Um beijinho
Sem imagem de perfil

De Alex a 10.05.2013 às 12:01

Depois de tantas afirmações tão lúcidas, eis que surge:

"Compreendo perfeitamente uma mãe, que depois de dar à luz, se recuse a amamentar o filho. Porque não está para isso, por uma série de razões que são lá dela. Dela e ninguém tem nada a ver com isso."

Sendo absolutamente consensual as vantagens do leite materno relativamente ao suplemento (daí o nome, suplemento..) , não me parece humano que uma mãe simplesmente opte por não amamentar, "Porque não está para isso". Ou a frase foi mal escolhida, ou lembra referências a questões estécticas, auto-confiança, etc.

Atenção, podem existir muitas razões (relevantes...) para que a amamentação não possa ocorrer, e felizmente já existem alternativas, e seja por que RAZÃO for, nenhuma mãe se deve sentir responsabilizada por isso.

Agora... e voltando a citar, se for apenas "Porque não está para isso", tendo em conta os vários desafios que se atravessa ao criar um filho, esta atitude de certeza se irá repetir noutros aspectos da sua vida, possivelmente com outro tipo de resultados.

Sinto que este comentário parece bastante piquinhas, assenta numa frase da blogger... mas estando a atravessar, como pai, esta fase maravilhosa que é ter e criar um filho (quase 1 ano), assusta-me ver alguem a atravessar periodo identico, e que mesmo antes do parto ja tinha marcada a cirurgia de reconstrução do ventre, a secagem do leite e reposicionamento dos implantes de silicone, etc etc

Como é que conseguem pensar nestas outras coisas, principalmente quando tem impacto no seu filho? (por menor que seja esse mesmo impacto)

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor