Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


17
Set13

 

Tive conhecimento do filme A Gaiola Dourada por acaso, muito antes da estreia e quase ninguém falava nele. Mas ficou na minha lista de filmes a ver. E fui, talvez uma semana a seguir à estreia e vim de lá muito bem disposta.

Li algures por aí alguém dizer que não soltou nem uma gargalhada ao vê-lo, coisa que me deixou cá a matutar, no quanto uma pessoa deve ser enjoadinha para não libertar um sonoro riso.

Na sala de cinema não sei se ri mais do filme ou das gargalhadas estrondosas de um senhor que estava numa das cadeiras mais atrás. Porque no fundo foi isso que senti na altura, parecia que estavamos todos em família a ver coisas que de uma forma ou de outra nos eram bastante familiares.

Os clichés de que tantos falam, não serão clichés minha gente. A realidade de grande parte dos portugueses é aquela, não vale a pena dourar a pílula. A realidade de Portugal não são meia dúzia de gatos pingados, os das Fashion Night Out, os das Sunset Parties, os do Instagram, Facebook, Prada, Monolo Blahnik e por aí fora.

Mas são todos estes que ficaram com "medo" do filme. Filme que acaba por nem merecer grande análise de tão simples que é, despretensioso e honesto. Só isso.
Mas mete "medo" a quem tenha de ir a Madrid em viagem, ou NY, ou Paris. Ai, em Paris! O que irão pensar deles? Os que viram o filme, o que irão pensar deles? Portugueses? Ah...aquelas pessoas que são porteiras e construtores civis?...Ah sim, portugueses...

 

E depois o argumento de que a emigração já não é assim hoje em dia.

Livre-se o Ruben Alves de algum dia fazer um filme sobre as lavadeiras do rio de 1920! É que caso ele não saiba, hoje em dia já usamos máquina de lavar.

Autoria e outros dados (tags, etc)


5 comentários

Sem imagem de perfil

De o rapaz da laranja a 17.09.2013 às 12:15

... qualquer dia ... essas "gentinhas", quem tanto medo têm de serem comparados ao "povo da gaiola dourada" e que limpam a beiça em guardanapos de cetim quando vão às lojas de fast-food da moda, vão andar a dizer que não gostam do "bolos de bacalhau" nem de "tintol"... só para não serem confundidos... é que gente assim só usa papel higiénico colorido e consegue obrar "volumes" perfumados (não obstante a m@rd... ooops, porcaria, ser a mesma!)
:P
Sem imagem de perfil

De helena a 17.09.2013 às 14:21

Já vi o filme e gostei.

Uma das minhas irmãs e cunhado estiveram na Alemanha durante dez anos e sim, a realidade é aquela. Não aceitar ou tentar esconder esta realidade é faltar à verdade.

Tenho pena daqueles que tiveram "medo" do filme e que vivem vidas ficcionadas só para parecer bem.
Imagem de perfil

De Fátima Bento a 17.09.2013 às 17:00

CLAP, CLAP,CLAP, bravo!
Adorei a tua abordagem!
Sem imagem de perfil

De Clara a 17.09.2013 às 22:56

Revejo-me na análise que fez..
Enquanto ri de algumas cenas que me são bastante familiares, uma vez que tenho família emigrada e são/foram assim, tomei consciência que, não devo mais apelidar os emigrantes de avec´s como por brincadeira fazia.. a vida deles é demasiado dura, mais não seja a distancia e as saudades que so quem emigra entente o significado..
Imagem de perfil

De Nessie a 18.09.2013 às 08:49

Vi o filme e adorei... ri, chorei, relembrei, porque também eu fui emigrante, porque o meu pai é emigrante, porque aquela é uma realidade que conheço bem e não posso deixar de admirar quem se aventura numa realidade que desconhece e lá faz um lar, melhor ou pior faz um lar.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor