Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Vou já avisando: isto vai ser longo.

Para facilitar a escolha do texto para a continuação da história do blog conto Eu ou contas Tu, decidi publicá-los todos neste post.

 

Foram quatro os participantes:

 

I am you do blog I am you

Ladybug do blog Baby Steps

Mil Sorrisos do blog Mil Sorrisos

JustGirl (sem blog conhecido)

 

Depois de lerem os quatro textos (sim, eu sei, dá um trabalho do caneco mas vocês conseguem), de encontrarem o vosso favorito e também aquele que vai mais de encontro à continuação da história, apenas têm de deixar o nome do autor que escolheram na caixa de comentários. Simples não?

Ah! E já me esquecia. Têm quatro dias para o fazerem. No sábado irá ser publicado o texto mais votado no blog conto Eu ou contas Tu.

E porquê quatro dias, perguntam vocês.

Porque sim! Ou não posso? Ah....pensei...

 

E agora seguem os textos. Divirtam-se.

 

 


 

I am you

 

Bruno enrosca-se ainda mais no casaco que o protege do vento frio que sopra de norte. Deixou os amigos na discoteca e decidiu ficar só, por momentos, no velho jardim que lá de cima namora a cidade. Faz hoje dezoito anos e quer sentir o peso pluma de tão poucos anos vividos e da vida futura que se avizinha. Na sua cara floresce uma barba que teima em despontar mas que ele gosta de acariciar como se fosse aquele o sinal da sua recente maioridade. Um pouco ébrio pelas imperiais bebidas ao jantar e por uma vodka laranja emborcada na discoteca, Bruno cerra os olhos e deixa que a rispidez do frio o embale numa sonolência quase confortável.
A meia dúzia de metros a seu lado, um vulto envolto numa capa negra como aquela noite, aproxima-se do frágil muro que circunda o jardim, subindo-o e mantendo-se num equilíbrio precário. Amparada pelo vento, aquela sombra negra dançava o que poderia ser a sua última dança, isto porque um pé em falso seria o suficiente para uma queda considerável, acabando em morte certa.
Bruno olhando para aquele bailado dantesco, de um salto agarra-a por um braço, puxando-a para trás, acabando estatelados no chão. Como se de um felino s e tratasse aquele corpo que ele tentava dominar, cravava-lhe as unhas por debaixo da roupa, provocando-lhe dor. Num repente, Bruno consegue passar para cima daquele ser que parecia possuído por uma força de outro mundo. Num último esforço, consegue-lhe prender as mãos com as suas, e por fim vislumbra-lhe o rosto. De uns olhos lindíssimos, mas carregados de raiva e tristeza brotavam pesadas lágrimas. Esta era Laura.

Ladybug

 

Catarina começava a estalar de impaciência. Se por um lado tinha vontade de se render ao sono, por outro, queria esperar por Bruno. Devia-lhe isso. Afinal, ele tinha ido à rua de propósito comprar leite para ela. Não tinha que o fazer. A “exigência” do leite tinha-lhe saído da boca num impulso. Não era pelo leite... Queria estar presente na vida dele, mas não queria tornar-se apenas mais um hábito para ele... como o whisky ou o leite... Queria apenas participar dos rituais dele, queria partilhá-los com ele. Queria sentir o que ele sentia quando bebia o leite. Se era importante para ele, seria importante para ela.
 
E não queria que ele a tomasse como certa.  Tinha entrado nesta relacção meio a medo, meio curiosa. Era nova na empresa quando se conheceram. Ainda mal estava recomposta do seu divórcio quando conheceu o Bruno. Tinha-se instalado em Lisboa há pouco tempo, conhecia pouca gente e as pessoas que conhecia eram, na sua maioria, conhecimentos profissionais. Por isso, quando o seu trabalho se cruzou com o de Bruno, por força das circunstâncias, a proximidade acabou por ser inevitável. Com o tempo foram-se conhecendo melhor, e Catarina começou a dar consigo a querer antecipar as reuniões com ele, a pensar nele com frequência, a inventar desculpas para falarem. Havia algo nele que a encantava. Havia algo nele que a fazia sentir segura e pressentia que as coisas seriam diferentes desta vez. E quando ele a convidou para jantar, sem qualquer pudor,  com o seu sorriso engraçado e ar distraído, não pôde recusar. Tinha-se apaixonado por ele. E desde então tinham-se tornado no porto de abrigo um do outro...
 
Quanto ele lhe contou do seu problema com o alcool, ficou surpreendida apenas. Tinha-o posto num pedestal. Sempre com um pé atrás, sim, mas... até à data não lhe conhecia “defeitos”, por isso, ficou efectivamente surpreendida. Nada mais do que isso. Ela sabia o que era ter telhados de vidro. Oportunamente, também ela teria uma história para partilhar com ele. Mas primeiro tinha que encontrar Laura, falar com ela, saber como ela estava, por um ponto de final naquela história. Laura era irreverente, extravagante, impulsiva e ela era o reverso da medalha. Doce, ponderada, calma, afectuosa. Nunca quis que as coisas tivessem acabado assim... E agora que estava de volta a Lisboa, sabia que tinha que a procurar.
 

 
Mil Sorrisos
 
Agora,  rever Laura, naquele contexto, era completamente surreal. Como? Porquê? Para quê? Cedo teria respostas...
- Surpreendido? – disse ela, entre duas baforadas num cigarro que segurava, graciosa e sedutoramente, com os dedos finos e unhas pintadas de vermelho.
- Que pergunta é essa??? Claro??? O que se passa afinal?
Entretanto, discretamente, Paula tinha-os deixado sós.
- Parece um complô de mulheres do meu passado! Explica-te depressa que tenho alguém à minha espera.
- Mulher, presumo – atirou Laura com um risinho irónico.
- Não interessa –desconversou Bruno - O que se passa afinal? Fui trazido à força sob a ameaça de uma arma de fogo. Isso é um crime, sabias?
- Calma, calma, calma. Sempre foste muito stressado.
Laura levantou-se, revelando o seu corpo sinuoso e atraente. Os anos não tinham passado por ela. Continuava a ter uma presença forte e altiva, a quem ninguém ficava indiferente. Sempre tivera perfeita noção do ascendente que conseguia ter sobre os outros, principalmente homens, e nunca tivera pudor em tirar partido disso. Aproximou-se de Bruno, que permanecia sentado no canto da sala mais protegido pela penumbra.
- Ainda bebes muito leitinho antes de adormecer? – perguntou Laura, cada vez mais perto de Bruno.
- Olha qu´isto! Afinal, que treta é esta? Alguma partida de mau gosto?
Subitamente, uma voz familiar.
- Bruno, Bruno, tem paciência e tudo compreenderás - disse Catarina que entrara sorrateira e silenciosamente na casa. Estava acompanhada de Paula que já não empunhava a arma.
Então não tinha deixado a Catarina em casa... ?? Não percebia nada.
- Mas... Como...???? – Bruno estava completamente atordoado e à beira de um colapso nervoso.
- Contas-lhe tu, Laura?

 
JustGirl
 
Analisando friamente o tipo de relacionamento que teve com Laura, Bruno concluiu mais tarde que Laura era na época uma espécie de predador, que procurava uma presa mais nova e frágil, sequiosa por novas experiencias e aprendizagens... Era demasiado “senhora do seu nariz” para que fosse possível construir uma relação com alguém. Daí afirmar que nunca casaria com ninguém. Na altura Bruno pensava que seria ele que iria mudar Laura, que iria casar com Laura… mas era apenas um miúdo de 18 anos apaixonado. Não tardou para que Laura passasse para a presa seguinte, deixando Bruno com uma sensação de vazio tão desconhecida como todas as outras sensações que Laura lhe tinha mostrado… Talvez por isso Bruno continuou sempre a estremecer apenas ao recordar o que viveu com Laura. Foi um marco na sua vida, e ficou de tal forma hipnotizado, que apesar dos anos passarem… sentia uma volúpia incontrolável quando pensava em Laura. Desde há alguns anos que nada sabia dela… até que a viu… naquele sofá, olhando-o fixamente como sempre fez… de uma forma que desarmava o menino de 18 anos que ainda existia dentro dele.
“E a Catarina lá em casa… “ – pensava Bruno.
Laura continuou a olhar para Bruno durante alguns minutos sem nada dizer, até que quebrou o silêncio dizendo:
                - Vem cá, senta-te! Temos imenso que conversar… a vida mudou… os anos passaram…
Bruno estremeceu! Voltou a pensar em Catarina… mas Laura continuava a exercer sobre ele uma estranha e indominável atracção. Deu alguns passos em frente, hesitante, mas acabou por se sentar junto de Laura. Estava um pouco constrangido, até então nada tinha dito…
Enquanto isto, Paula fumava um cigarro à porta, observando a cena e sorrindo com ar de gozo. Bruno respirou fundo e disse a custo:
                - Se querias encontrar-te comigo bastava telefonares… não era preciso isto…
Laura deu uma sonora gargalhada e disse:
                - Eu!? Encontrar-me contigo! Oh Bruno continuas a ser muito naif…

 
E as votações começam....Agora!!
 
 
 
 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


19 comentários

Imagem de perfil

De Ana Boaventura a 25.03.2008 às 13:37

O texto do blog mil sorrisos, sem duvida é que me faz vontade de continuar a ler, conseguiu supreender-me!!
bjokas
Sem imagem de perfil

De Raquel a 25.03.2008 às 13:42

Eu voto Mil sorrisos, sem dúvida.
Costumo ler os blogs dela de escrita e adoro.
Bjs

Imagem de perfil

De Iris a 25.03.2008 às 14:04

Mil sorrisos :D Está muito boa a continuação, gostei muito
Imagem de perfil

De Tenrinho a 25.03.2008 às 14:06

Voto no texto da JustGirl...
Sem imagem de perfil

De Elisabete Silva a 25.03.2008 às 14:09

Mil Sorrisos
Sem imagem de perfil

De Euquandoforgrande a 25.03.2008 às 15:51

Mil sorrisos.
Sem imagem de perfil

De Lil a 25.03.2008 às 16:05

eleita a JustGirl
Imagem de perfil

De Daniela a 25.03.2008 às 16:50

Mil sorrisos :)
Imagem de perfil

De serendipty a 25.03.2008 às 17:25

Mil Sorrisos*
Sem imagem de perfil

De seagirl a 25.03.2008 às 17:50

JustGirl!
Sem imagem de perfil

De Ana a 25.03.2008 às 21:43

Mil sorrisos.

Comentar post


Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor