Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


10
Dez08

E mais uma vez a imagem do blog mudou.

Porque a Gaja mudou.

Porque as coisas mudaram.

 

 

E mais uma vez a responsabilidade deste novo look é da Luciana. Porque há coisas que não mudam e o seu talento é uma delas. Obrigada Lu!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Eu sei, eu sei...já é com uns dias de atraso que vou publicar os textos de ínicio de Conto de Natal para o "Contas", mas é que a minha vida não é só isto e o tempo tem sido curto.

Recebi apenas dois textos! Apenas duas corajosas se chegaram à frente! Para todos os outros que não participaram tenho apenas 3 palavras para vos dizer: Shame on you!

 

A primeira participação:

 

Mil Sorrisos

 

 

Desde há uns meses que os dias se sucediam sem surpresas nem expectativas. Sabia que estavam em Dezembro, mas desconhecia o dia certo. Também, que necessidade tinha de saber isso? Na sua vida há muito que deixara de haver dias especiais disto ou daquilo, apenas dias...
O Natal já se fazia anunciar há umas semanas, quer nas decorações que engalanavam a cidade, quer na azáfama das compras, Crise, que crise?? Dir-se-ia que só ela estava em crise.Quem estivesse um par de horas na baixa lisboeta seria testemunha da correria às lojas, dos sacos, saquinhos e sacolas de todos os tamanhos e feitios que os transeuntes transportavam numa correria desenfreada pelo presente certo.
Gostava de observar aquele frenesim que um dia também foi seu. Ela própria tinha calcorreado aquelas calçadas e conhecia, como a palma da sua mão, cada loja, cada cantinho daquela zona nobre da cidade. Agora passava lá os dias, mas o seu mundo era outro.
Não sabia precisar quando se tinha dado a viragem e até os motivos que levaram a tudo surgiam enevoados na sua memória...

 

A segunda participação:

 

cantinhodacasa

 

 

Sofia, 6 anos, cabelo escuro, olhos cor de azeitona, rosto branco de neve, queria um Natal com o seu pai que há muito tempo fora trabalhar para bem longe, um país que nem ela sabia dizer o nome.
Está a aproximar-se outro Natal, o quarto, e que ela não vê seu pai. Quase esquecera o seu rosto, não fosse a foto que a mãe pusera no quarto, cor de rosa com alguns bonecos que lhe  haviam oferecido, mas que já nem dava importância.
Todos os 365 dias do ano Sofia não se deita antes de beijar a foto do pai. "Como é lindo o meu pai..." - murmurava num sussurro para que a mãe não escutasse as suas palavras.
Na escola estão a fazer os preparativos para a festinha de Natal.
Sofia gosta dos trabalhos que faz com os colegas e a professora. Adora desenhar e pintar. O pai está sempre presente nos desenhos que faz...acompanhado pelo Sol.
Mas o que mais gosta de trabalhar é com plasticina. Faz figuras de pessoas, de animais, de peixes, com  tanto pormenor que nem a sua mãe consegue entender a perfeição com que ela mexe os seus dedos finos e compridos.
Gosta de trabalhar, fazer exercíco físico, jogar à bola, fazer perguntas sobre as palavras que escuta, mas não sabe o seu significado.
A professora tinha sugerido que , este ano, os meninos iriam fazer uns desenhos ou bonecos com os materiais que quisessem ,para enviar para uma Instituição de crianças, para que estas tivessem uma prenda de Natal feita por outras crianças, também.
Sofia andava excitada com a proposta da professora. Não paráva de falar no assunto a toda a família. Como todos imaginaram, Sofia propôs trabalhar com plasticina.
Passava horas a fio a fazer e desfazer os bonecos, alguns já prontos, mas que dava sempre um jeitinho e acabava por alterá-lo, tal era a sua excitação...

 

 

 

E agora já sabem, é só escreverem na caixa de comentários qual o vosso texto favorito!

Vá...não custa nada

 

Votem!

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

04
Dez08

Há algum tempo atrás fiz referência aqui no blog a um post que iria fazer sobre iogurtes. Sobre iogurtes? Perguntou alguém.

Não cheguei a fazê-lo. Talvez por preguiça ou porque quando me passam as "moscas" tendo a relativizar um pouco as coisas.

Mas hoje, penso que se justifica ir buscar esse assunto. Irão perceber mais tarde.

 

Certo dia, tive um daqueles meus acessos de ideias parvas (e que por norma têm de ficar resolvidas em pouco espaço de tempo) ao lembrar-me de uma máquina de fazer iogurtes que a minha mãe usava há muitos anos. A visão de um metro e meio de mãe em cima de um banco, mal equilibrada, em busca da máquina que a menina exigia com laivos de birra, chega quase a ser poética. E ela lá estava. Dentro da sua caixinha amarelecida pelo tempo mas com aspecto de quem ainda estava para as curvas.

Um litro de leite, um iogurte natural. Tudo o que era preciso para encher aqueles 7 frasquinhos milagrosos.

Ao dirigi-me a um daqueles hipermercados, que agora não me lembro do nome (é qualquer coisa Marché...) para comprar um iogurte natural e ao vasculhar e desbravar todas as prateleiras de iogurtes, deparo-me com um cenário catastrófico. Só vendiam conjuntos de 4!

Numa situação deste género surge-me sempre na mente uma das minhas questões filosóficas favoritas: "Mas que merda é esta?"

Sim, porque reparem na ironia do mundo do iogurtes...Eu precisava de 1 para fazer 7. Mas era obrigada a comprar 4! Pronto....e quem manda são eles...

 

Não! (e é aqui que as "moscas" baixam em mim...)

Separei os 4 iogurtes. Um a um! Agarrei num deles e dirigi-me à caixa sabendo já o que iria acontecer, óbvio.

"Isso só se vende em conjuntos de 4!" - diz-me uma voz esganiçada.

"Ai sim? Então não quero!" - larguei o iogurte e virei-lhe costas.

 

(E se algum mosqueteiro me estiver a ler, aviso já, sou menina para repetir a brincadeira)

 

Logo de seguida entrei num supermercado de bairro e aí sim, consegui comprar UM iogurte.

 

 

Esta história é apenas uma entre tantas que vão acontecendo connosco, neste sistema que se instalou do "come e cala". É uma história que pelo tema dá ares de conto infantil perto de certas outras que me vão contando. Como aquela do tipo, que por acaso é meu irmão que em conjunto com mais uns tantos automobilistas, foram multados pela Brigada de Trânsito por terem circulado numa faixa Bus depois de não terem achado alternativa para seguir caminho. E a Brigada, que a meu ver deveria servir acima de tudo para a prevenção de acidentes, em vez de estarem no ínicio da dita faixa, estavam no final dela. Caça à multa? Dizem que não...

Como aquela da mulher, que por acaso é minha mãe, que faltou ao trabalho para ir à consulta no hospital e depois de ter aguardado várias horas e reparando que ninguém a chamava é informada de que a médica já se tinha ido embora? Falta de profissionalismo? E de respeito acima de tudo? Não...Secalhar esqueceu-se coitada....

Então esta da subserviência aos profissionais de saúde é coisinha que me provoca urticárias...

Bem fez uma, que ao chegar ao centro de saúde para uma das suas filhas ser vacinada é informada de que a infermeira já não dava mais vacinas a ninguém pois tinha de ir apanhar o autocarro...Não disse nada, olhou para o relógio e viu que ainda estava no horário das vacinas. Simples. Pediu o livro de reclamações. O final da história é uma enfermeira a apanhar o próximo autocarro...

 

E que tal começarmos a revoltar-nos um bocadinho?? A pedir o livro de reclamações mais vezes? A reclamar da trombuda ou trombudo que nos atenda seja onde fôr? A reclamar de um mau serviço que nos seja prestado? A escrever cartas ou e-mails de desagrado? A fazer queixa de determinadas situações??

Mas assim, à bruta! Como quem divide uma embalagem de 4 iogurtes!

O governo não muda nada, desenganem-se. Talvez nós, um bocadinho cada um, vá provocando certas mudanças.

 

Assim o tentei (e agora sim, estou a chegar ao ponto) com o post que escrevi acerca do serviço Sapo.

O meu obrigada à Jonasnuts da equipa Blogs do Sapo pelo debate de ideias e também à Joana Torrado da equipa do Mail Sapo por me ter solucionado o problema do mail.

O post serviu acima de tudo como desabafo e também como chamada de atenção e mais uma vez me deparei com a situação do costume. Existiam mais pessoas com queixas idênticas mas pelos vistos ninguém se queixava. É um hábito nosso, "do deixa andar", quantas vezes não tenho feito uso dele...

Ao falar do Sapo dividi-o em categorias, para explicar cada uma das minhas queixas e para que não houvesse confusões.

Mas de qualquer das formas, o Sapo é o Sapo, e se ele promete o melhor, é isso que eu exijo, pois é um direito que me assiste enquanto consumidora.

 

E para encerrar este capítulo, irei continuar por aqui. O meu blog continuará nesta plataforma, o endereço de e-mail não irá mudar e continuarei cliente Sapo Adsl. E isto porque, as situações mais importantes estão resolvidas. Espero melhorias no resto.

 

 

Agora vou mas é ali comer um iogurte e já venho...

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

04
Dez08

Amanhã...

por Gaja

...virei aqui explicar melhor toda a "polémica" que o post anterior originou...

 

Mas é que já vai para tarde...e o dia foi um pouco confuso.

 

Vá, agora parem de me puxar os cabelos!

 

Está bem!! Eu fico!!

 

Pôssas! Que uma Gaja também não pode dizer nada....

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

E agora até nem me está a apetecer fazer piadinhas. Até porque existem coisas que perdem a graça com o tempo.

Estou a um passinho de tomar uma decisão. Aliás...de optar entre duas.

 

 

Sapo = mau serviço (ponto final)

 

Blogs do Sapo - Tem tudo para ser bom. Nada é perfeito é certo, mas parece que já lhe conheci melhores dias. Ultimamente parecem-me essencialmente preocupados em "pescar" os "blogspoteiros".

 

Sapo Fotos - Não consigo ver sentido em semelhante serviço. E não faço mais comentários.

 

Mail do Sapo - Graças a ele não vou poder colocar aqui no "Vidinha" os textos que me enviaram para o "Contas". O dia para o fazer seria hoje. Durante todo o dia não consegui aceder ao meu próprio endereço pois diz-me que não é válido ou a pass está incorrecta. Parece-me dificil, ao fim de 3 anos e tal esquecer-me da minha própria pass ou do meu endereço e apesar de várias tentativas foi em vão. Aguardo portanto resposta ao mail que enviei para o suporte Sapo.

 

Sapo ADSL - Estou há mais de uma semana com problemas na internet. Fora todos os outros problemas que já tive ao longo de 5 meses que tenho este serviço. Fora todo o dinheiro que já gastei em chamadas para me resolverem esses mesmos problemas. Reportei uma avaria há 5 dias. Continuo à espera.

 

Então das duas uma:

 

Ou acabo com o blog aqui e mudo-me para o Blogspot associando-lhe o meu endereço gmail, o qual não me tem dado chatices.

 

Ou acabo com o blog de uma vez, bye bye Gaja e dou baixa da internet.

 

Estou a um passinho...

 

Pequeno...

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 3/3



Mais sobre mim

foto do autor