Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Gosto que deixem comentários aqui no blog. Não vou negar.

Já tenho lido em alguns blogs, os autores afirmarem que escrevem apenas para eles próprios e por prazer, não esperando comentários. Não sei porquê, mas isto soa-me sempre a cagança.

Eu gosto de ler os comentários que me deixam. Fico a saber quem me lê e porquê. Fico a saber também um pouco das histórias dessas pessoas, das vivências, das opiniões. Gosto também de responder aos comentários de todas elas, pois se alguém perde alguns minutos do seu tempo a deixar-me umas palavras, é o mínimo que posso fazer.

Existem inclusive, comentários que dariam óptimos posts. Por isso decidi criar outra rubrica aqui no blog, em que irei mostrar esses mesmos comentários e transformá-los num post.

A rubrica começa já hoje, com um comentário (e desculpem-me o favoritismo da escolha) deixado pelo meu irmão, coisinha máááá linda da mana.

Então aqui vai ele:

 

De yxis a 21 de Agosto de 2007 às 12:33
Não tenho muito mais a acrescentar à recente polémica que varreu aqui este blog em relação a uns certos comentários ditos "construtivos". Mas não posso deixar de notar a obesessão criada em torno dos erros ortográficos. Afinal quem é que se pode orgulhar de ser um cultor da língua portuguesa, aposto que em Portugal existem no máximo 3, e já devem estar velhos, assim cm a língua que professam. Acho que também não é necessário referir o caso do Saramago, criticado tantas vezes pela falta de acentuação/pontuação e mesmo assim nobel, e o caso dos espanhóis e até dos ingleses que tornam 'apodos' certas palavras retirando as sílabas finais e facilitando a comunicação, sem mais delongas. Sim, porque vivemos na era da comunicação e, quem mais rápido obtém, melhor. No fundo digo: Quem é que nunca comete erros, ou construí novas expressões, ou utiliza a palatina diária criando novas palavras. As línguas são seres vivos que se alimentam da nossa cultura, mas é a cultura diária, a vivência pessoal e societária, e não só a cultura erudita. Eu acredito que é por isso que será sempre impossível o projecto de uma língua comun universal, existem experiências diferentes em todas as partes do mundo que obrigam a expressões diferentes, uma construção teórica distinta da vida que faz surgir novas palavras. Por exemplo, nas encíclicas papais - obrigatoriamente escritas em latim - tem-se sentido a necessidade de criar novas palavras, para conceitos inexistentes na época romana, tais como computador e auto-estrada. Só prova que é uma língua morta, porque não vive na boca das gentes, então é "falseada" pelos que dela ainda necessitam para se exprimir.
Só para terminar, acredito que este é mais um exemplo da mesquinhez e tacanhez de espírito que corre este país, a quem queira fazer críticas construtivas digo: construção faz-se com dúvida, não coloquem em causa negando, mas sim questionado o porquê, e depois atingindo a compreensão do que se fala concordam ou não, e discordando expõe as alternativas.
Pessoalmente é me fácil compreender este blog, porque (cof cof) já vivi com a "posteira" (toma que esta é nova), e o seu humor não me é estranho, mas aqui só para nós: não é assim tão difícil compreender.
Dito isto por alguém que não gosta de blogs, mas que, tal como o George Clooney diz: "ahhhhhhhh, the simple pleasures of life", e que gosta de quem faz deles humor, tornando o aborrecido no divertido.

(perdoem-me eventuais erros ortográficos, gramaticais ou de sintaxe)

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor