Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

WC-kids-napping-in-school.jpg(a saga continua...)

 

Cheguei há pouco do colégio do puto onde perguntei carinhosamente (com olhos de bambi) lá à directora do sítio, se não era possível ele não fazer a sesta ou reduzirem o tempo do descanso.

Pois que não.

E aconselhou-me a leitura de uma "senhora que escreve muito bem, inclusivé já deu uma palestra que eu fui ouvir uma vez....ela é mesmo especialista nesta coisa do sono das criancinhas...veja na Fnac"

E eu a ouvi-la atentamente? (revirar de olhos)

 

Juro, esta manhã quando acordei pensei para mim "caramba pá! será possível não encontrar nenhum especialista nesta coisa do sono dos putos, daqueles que sabem mesmo tudo, tudo, tudo, inclusivé técnicas de hipnotismo, que parecendo que não, podem não ficar a dormir mas sempre ficam quietos?"

 

E ali estava. A resposta dada por aquela directora. Depois dizem que o mundo não é bonito e que as coisas boas não caminham na nossa direcção.

 

 

 

a merda é que com isto tudo já me esqueci do nome da especialista....

Autoria e outros dados (tags, etc)

Às vezes ouço pais a dizerem "aiiiiiiiiiiiii o meu filho é um terror para dormir","aiiiiiiiiiii sabem lá, quem é que diz que ele dorme sozinho?", "aiiiiiiii quer dormir na cama connosco todas as noites".....e por aí fora. E eu ainda não percebi qual a intenção de dizer merdas destas, a pintarem os filhos como uns diabinhos com vontades próprias que tornam a vida dos seus papás um verdadeiro inferno na hora de dormir.

 

Cada caso é um caso, cada um faz como quer mas convenhamos.....não são os filhos que não querem dormir sozinhos, são os pais que permitiram que isso acontecesse desde cedo.

 

Por aqui a coisa aconteceu da seguinte forma: a partir dos 4 meses o meu filho passou para o quarto dele, saiu do aconchego da sua alcofa no quarto dos pais e emigrou para o seu monumental berço. Se não fiquei preocupada? Fiquei. Se ia lá muitas vezes? Ia. Com o passar do tempo a preocupação deixou de ser tanta e o facto dos quartos serem lado a lado deixava-nos também descansados.
Até por volta do seu ano e meio adormecia sempre ao colo. Ou seja, tinha de cantar, embalar e só quando adormecia colocava-o no berço.
Se não teve noites terríveis? Claro! Principalmente numa fase que todos passam em que acham que à noite (tipo 4/5h da manhã) é que é boa altura para brincar. Se não tive noites que me apeteceu mandá-lo pela janela? Tive pois. Mas analisando bem as coisas à distância chego à conclusão que as vezes em que isso aconteceu nem contam para as estatísticas.

Chegou a uma altura que achei que a história do colo não fazia muito sentido e que seria urgente parar com esse hábito. Como o fiz? Tive de tornar a hora de deitar numa completa animação. "Ah e tal não estimulem muito os miúdos antes de irem para a cama." Pois fiz precisamente o contrário. Agarrei nuns 15 peluches, criei vozes para cada um deles (sim, eu faço vozes de bonecos), do género: um urso grande com voz grossa e um coelho pequeno com voz fininha. Convencia o meu filho que todos estavam ali para dormir, que todos queriam dormir ao pé do Dinis, todos chamavam "Didi!" "Didi!"....e aos poucos a coisa lá foi. Começou a ficar na cama, sem precisar de colo e junto de todos aqueles amigos. No ínicio eu ficava por ali um pouco, até que gradualmente consegui sair do quarto e ele tranquilamente deitado na sua cama, lá adormecia ao fim de algum tempo.

 

Ainda hoje utilizo este método. Todos os dias lá adomece, não com 15 peluches mas talvez uns 6 ou 7. Dá-me um beijinho ainda no meu colo, deita-se, depois levanta-se para me dar um abracinho (faz isto religiosamente todas as noites) e depois sim, junta-se aos seus amigos.
Digo-lhe "A mãe vai ali e já cá venho ver como estás. Até já!"...."Até já, mãe!"

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor